ANIMAIS SÃO VÍTIMAS DAS ESTRADAS BRASILEIRAS.

Cerca de 470 milhões de animais morrem anualmente atropelados no Brasil

Verdadeiras armadilhas para a fauna silvestre, as estradas tornam-se ainda mais perigosas para os animais durante o inverno. É nesta época do ano que aumentam os casos de incêndios florestais, favorecidos pelo tempo mais seco. Para fugir do fogo, muitos animais atravessam movimentadas rodovias e são atropelados.

O problema é tão grave que pesquisadores já consideram a morte por atropelamento como a segunda maior causa de perda da biodiversidade da fauna no Brasil e no mundo. Em primeiro lugar, está a supressão e redução de ambientes naturais.

Os números mostram a dimensão da violência. Com base em artigos científicos, o Centro Brasileiro de Estudos em Ecologia de Estradas (CBEE) estimou que, em média, 15 animais são vítimas de atropelamentos nas estradas brasileiras a cada segundo. Em 365 dias, são 473 milhões de óbitos.

Minas é um dos estados que mais contribui para as estatísticas, afirma Alex Bager, coordenador do CBEE e professor do Departamento de Biologia da Universidade Federal de Lavras (Ufla). “Aqui está a maior malha viária do Brasil e, consequentemente, as ocorrências tornam-se mais frequentes”.

 

Ameaça a motoristas

 

O perigo não existe apenas para os animais. A presença de animais de grande porte em rodovias também coloca em risco os motoristas. Os dados mais recentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF), de 2013, revelam que 549 ocorrências do tipo foram registradas nas BRs mineiras naquele ano.

Algumas medidas poderiam reduzir os impactos. “É possível criar passagens de fauna, como túneis subterrâneos ou uma espécie de ‘passarela’ no alto, unindo copas de árvores para os primatas”, exemplifica Alex. Placas alertando para a travessia de animais e redutores de velocidade em pontos estratégicos também são fundamentais.

Em nota, o Departamento de Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DER-MG) informou que tem executado ações de proteção ao meio ambiente, como as citadas acima.

Administradora de 936 quilômetros da BR-040, entre Juiz de Fora e Brasília, a Via 040 também está dando os primeiros passos na tentativa de proteger os animais silvestres. Foram instaladas 40 placas indicando a travessia de fauna. Agora, a concessionária estuda a viabilidade de criar passagens para os animais.

“Estradas levam progresso, mas ele não pode existir a qualquer custo. No futuro, ao enfrentarmos problemas por desequilíbrio ambiental, perceberemos o preço alto disso” – Leonardo Merçon, Presidente do Instituto Últimos Refúgios.

 

animal na estrada

 

Especialistas defendem mais rigor para abertura de rodovias

 

Apesar de algumas ações já estarem sendo executadas nas estradas mineiras, Maria Dalce Ricas, superintendente executiva da Associação Mineira de Defesa do Ambiente (Amda), considera que as iniciativas ainda são tímidas. “A construção de uma nova rodovia só poderia ser permitida mediante licenciamento com estudos de impacto ambiental”, pontua. E o rigor para autorizar a construção de novas estradas deveria ser maior nos locais que cruzam ou margeiam áreas de proteção ao meio ambiente, defende Dalce.

Para o presidente do Instituto Últimos Refúgios, do Espírito Santo, Leonardo Merçon, as estradas não podem cortar uma reserva, ignorando que esse processo destrói o habitat de vários bichos. “A presença de animais é menor em áreas já degradadas. Mas alguns trechos são considerados hotspot (zona quente) de biodiversidade. São patrimônios naturais e abrigos para várias espécies ameaçadas de extinção”, argumenta Merçon.

Em Minas, várias rodovias já atravessam áreas de grande relevância para o meio ambiente, critica Dalce. De um lado da MG-010, por exemplo, encontra-se o Parque Nacional da Serra do Curral e, do outro, a Área de Proteção Ambiental Morro da Pedreira.

De forma semelhante, a BR-040 passa pelo Parque Estadual de Paracatu, pelo Monumento Natural Serra da Moeda e outros corredores ecológicos.

 

Consequências

 

O impacto vai além dos atropelamentos. “Os animais precisam se deslocar para sobreviver, seja para caçar ou até reproduzir. As rodovias fragmentam o habitat deles”, diz Alex Bager, da Ufla. Como consequência, as espécies que não atravessam as estradas também acabam sendo afetadas. “Ficam presas a uma área menor do que a que precisam para viver. Morrem porque não têm alimento e sequer percebemos isso”, afirma Bager.

Além disso, acrescenta Leonardo Merçon, a presença de uma rodovia facilita o acesso de caçadores, aumenta a quantidade de lixo nas proximidades dos parques e, ainda, contribui para o aumento de incêndios florestais.

 

animal na estrada 

 

Projeto de Lei propõe medidas de proteção e mais fiscalização

 

Em Brasília, o Projeto de Lei (PL) 466, de 2015, quer tornar obrigatória a adoção de várias medidas que possam assegurar a circulação segura de animais silvestres no Brasil.

Dentre as ações previstas está a criação de um cadastro público para registro de todos os incidentes envolvendo a fauna, fiscalização constante nas áreas com maior incidência de atropelamentos, bem como a exigência de estudos de viabilidade de impacto ambiental para construção, reforma e duplicação de rodovias ou ferrovias.

Audiências públicas já foram realizadas para debater o assunto e, no momento, o PL está sendo analisado pela Comissão de Viação e Transportes, da Câmara dos Deputados. A expectativa é a de que o texto seja colocado para votação em agosto, segundo a assessoria de imprensa do deputado Ricardo Izar, autor do projeto.

 

Aplicativo

 

Enquanto não há uma lei que exija a criação de um banco de dados sobre mortes de animais em rodovias brasileiras, o professor Alex Bager, do Centro Brasileiro de Estudos em Ecologia de Estradas, tenta coletar informações com ajuda de usuários de todo o país.

Por meio do aplicativo Urubu Mobile, disponível para Android e iPhone, qualquer pessoa pode registrar o atropelamento de animais. Todos os dados são avaliados por pesquisadores e especialistas em identificação de espécies. Atualmente, 14,5 mil pessoas já estão envolvidas nessa causa, informou Bager.

 

 

 

***

 

 

Foto 1: David Henry

Foto 2:The Langer

 

 


Veja Também

COMO É POSSÍVEL SABER QUE O SEU CÃO ESTÁ ESTRESSADO?

Saiba quais são os sinais de que seu peludo precisa de mudanças na rotina.

Outubro Rosa Pets

Você sabia que animais também podem ter câncer de mama? Faça o exame de prevenção!

Como adaptar cães e gatos a um novo lar

Confira algumas dicas para ajudar seu pet a se adaptar a uma nova casa


Voltar

Você sabe como entrar no ramo das Empresas de banho e tosa ?

Para os amantes de animais que sonham em ter um negócio próprio um banho e tosa pode ser o ideal. Venha conferir ótimas dicas de como abrir um.

Mel

Belo Horizonte - MG

COMO É POSSÍVEL SABER QUE O SEU CÃO ESTÁ ESTRESSADO?

Saiba quais são os sinais de que seu peludo precisa de mudanças na rotina.

Conheça a história do cachorro que cuida de filhotes de gatos como se fosse pai

Hoje é dia dos pais e o Radar Animal preparou uma linda história de um cachorro que cuida de filhotes de gatos como se fossem seus filhos.

Projeto de lei visa criar regras para a guarda dos pets após a separação

 O objetivo do projeto é fazer com que os animais não sejam mais tratados como objetos, mas sim como seres vivos e parte da família.

Bone

São Paulo - SP

Conheça Spaghettio, a gata 'pirata'

Spaghettio ganhou o apelido de pirata de sua mãe após sofrer um acidente.

Veja tudo o que rolou essa semana no nosso site!

Venha conferir os acontecimentos dessa semana!