ANIMAIS TAMBÉM SOFREM COM DEPRESSÃO

Amor e dedicação dos donos pode reverter quadro 

Se a convivência humana impõe mais desafios do que se poderia imaginar, o que dizer da adaptação dos animais domésticos à vida em comum? Para os gatos adotados Bastet, uma fêmea de 5 anos, e o macho Anakin, de 2, não tem sido nada fácil compartilhar a presença do outro na nova família constituída pelos tutores, o médico-veterinário Samuel Douglas Pereira de Oliveira, de 27 anos, e o professor Wagner Patrick Nicácio, de 37. “É uma luta diária pela harmonia em casa”, resume Douglas. Com a experiência profissional, ele ajudou os felinos adotados a superar alguns sintomas da depressão provocada pela perda do reinado do qual desfrutavam há cerca de cinco meses.

Aplicação de baunilha sobre o dorso dos animais, associada à medicação anti-estresse, tratou manifestações que poderiam ter se agravado. Os gatos deixaram de se limpar e de comer depois que os tutores resolveram dividir o mesmo espaço. Anakin foi quem mais sentiu a mudança e partiu para a briga. Bastet respondeu à altura, fazendo xixi fora dos locais determinados e arranhando o sofá e a cama.

A depressão não é algo incomum até mesmo entre os animais silvestres e requer atenção dedicada dos tutores. Diferenciá-la de atitudes típicas da chantagem emocional ou do charme lançado pelo bicho no intuito de manipular o tutor parece ser o mais difícil. No entanto, um bom começo é entender que a depressão pode significar comportamento anormal, provocado pela percepção aguçada que os animais têm de alterações de humor dos donos, somadas às influências do meio ambiente.

“Comportamentos como destruir móveis e objetos, se auto-mutilar, os latidos, a agressividade ou a prostração estão relacionados, na maioria das vezes, a um ambiente inadequado. Não podem ser interpretados como depressão”, diz a médica-veterinária Júnia Maria Cordeiro de Menezes, do Hospital Veterinário da UFMG. O estilo de vida imposto ao animal também pode levar a distúrbios de comportamento. Sedentarismo e consumo excessivo de alimentos são problemas frequentes observados pela especialista tanto entre cães e gatos quanto entre coelhos, peixes e pôneis.

“O proprietário cuidadoso é capaz de perceber alterações sutis e a medicação, quando há desvios, deverá ser usada depois de uma investigação da causa e uma vez esgotadas todas as opções de corrigir a origem do problema”, afirma. Os tratamentos incluem opções além da medicação, como cromoterapia e musicoterapia. São recomendadas atitudes como conversar e cantar.

A falta do dono pode levar à depressão, a menos que sejam preservados a segurança e o bem-estar do animal. O ambiente de luto e tristeza pode mudar as atitudes do bicho. Outra causa é a solidão para raças que vivem em matilhas e as de caça, quando passam a viver em apartamentos.

 

animais depressivos

 

Bichos sensíveis

 

Entre os animais silvestres, da mesma forma, a depressão pode se manifestar quando há perda de um animal companheiro da mesma espécie, observa a médica-veterinária de aves e animais silvestres Tânia Negreiros Faria, representante da Comissão Especial de Animais Selvagens do Conselho Regional de Medicina Veterinária de Minas Gerais. Não é diferente se a solidão tomar conta principalmente daqueles que vivem em sociedade, como psitacídeos, também chamados de aves de bico curto, a exemplo dos papagaios, periquitos e calopsitas. “Os sintomas mais evidentes, além das mudanças de comportamento, são a falta de apetite e o desinteresse das coisas que ocorrem ao seu redor. A perda de apetite por 24 horas já pode ser fatal e, portanto, não se deve esperar muito para procurar ajuda”, alerta.

Especialista em medicina felina, a médica-veterinária Myriam Kátia Iser Teixeira observa que o tema da depressão não está pacificado na própria literatura mundial. Os gatos sofrem estresse com facilidade. “Qualquer mudança na rotina desses animais deve ser planejada com cautela.”

O médico-veterinário Samuel Douglas, tutor de Bastet, destaca que ainda podem desencadear sintomas de depressão doenças comuns em gatos, a exemplo de obstrução urinária em gatos não castrados, estomatites e problemas nos dentes. Os bichanos são, de fato, animais mais independentes dos tutores, mas isso não significa desamor e nem pode ser motivo de descuido com eles.

 

 

 

***

 

 

 

Foto 1: jessica leigh

Foto 2: Mara Ricardo

 


Veja Também

Veja tudo o que rolou essa semana no nosso site!

Venha conferir os acontecimentos dessa semana!

Veja tudo o que rolou essa semana no nosso site!

Venha conferir os acontecimentos dessa semana!

Veja tudo o que rolou essa semana no nosso site!

Venha conferir os acontecimentos dessa semana!


Voltar

Você sabe como entrar no ramo das Empresas de banho e tosa ?

Para os amantes de animais que sonham em ter um negócio próprio um banho e tosa pode ser o ideal. Venha conferir ótimas dicas de como abrir um.

Mel

Belo Horizonte - MG

COMO É POSSÍVEL SABER QUE O SEU CÃO ESTÁ ESTRESSADO?

Saiba quais são os sinais de que seu peludo precisa de mudanças na rotina.

Logan

Curitiba - PR

Conheça a história do cachorro que cuida de filhotes de gatos como se fosse pai

Hoje é dia dos pais e o Radar Animal preparou uma linda história de um cachorro que cuida de filhotes de gatos como se fossem seus filhos.

Projeto de lei visa criar regras para a guarda dos pets após a separação

 O objetivo do projeto é fazer com que os animais não sejam mais tratados como objetos, mas sim como seres vivos e parte da família.

Mel

Porto Alegre - RS

Conheça Spaghettio, a gata 'pirata'

Spaghettio ganhou o apelido de pirata de sua mãe após sofrer um acidente.

Veja tudo o que rolou essa semana no nosso site!

Venha conferir os acontecimentos dessa semana!

Bone

São Paulo - SP